segunda-feira, 21 de março de 2011

Angelus do Papa Bento XVI no 2º Domingo da Quaresma

Domingo, 20 de março de 2011, 12h22

(tradução de Mirticeli Medeiros - equipe CN Notícias)

Queridos irmãos e irmãs,

Agradeço o Senhor que me doou, nos dias passados, os exercícios espirituais e estou grato também a todos que estiveram próximos de mim através da oração. No domingo de hoje, o segundo da Quaresma, é chamado o da Transfiguração, porque o Evangelho narra este mistério da vida de Cristo. “Ele depois de ter pré-anunciado aos discípulos sua Paixão, levou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os conduziu à parte, sobre o monte. Ele se transfigurou diante deles: o seu rosto brilhou como o sol e as suas vestes se tornaram brancas como a luz" (Mt 17,1-2). Segundo os sentidos, a luz do sol é a mais intensa que se conheça na natureza, mas segundo o espírito, os discípulos viram, por um breve tempo, um esplendor ainda mais intenso, aquele da glória divina de Jesus, que ilumina toda a história da salvação. São Maximo, o confessor, afirma que as vestes que se tornaram brancas traziam o símbolo das palavras da Sagrada Escritura, que tornam- se claras, transparentes e luminosas” (Ambiguum 10: PG 91, 1128 B).

Diz o Evangelho, que ao lado de Jesus transfigurado “apareceram Moisés e Elias que conversavam com ele” (Mt 17,3). “Senhor é bom para nós estar aqui! Se quiserdes, farei aqui três tendas, uma para Ti, uma para Moisés e uma para Elias (Mt 17,4). Mas, Santo Agostinho comenta dizendo que nós temos umas só morada: Cristo. Ele é a “Palavra de Deus na Lei, Palavra de Deus nos Profetas” (Sermo De Verbis Ev. 78,3: PL 38, 491). De fato, o próprio Pai proclama: “Este é meu filho amado: nele coloco minha afeição. “Escutem-no” (Mt 17,5). A transfiguração não é uma mudança de Jesus, mas é a revelação da sua divindade, a íntima compenetração do seu ser com Deus, que se torna pura luz. “No seu ser que é uno com o Pai, Jesus mesmo é Luz da Luz” (Jesús di Nazaré, Milão 2007, 357). Pedro, Tiago e João que contemplam a divindade do Senhor, são preparados para enfrentar o escândalo da cruz, como é cantado em um antigo hino: “Sobre o monte te transfigurastes e os teus discípulos contemplaram a tua glória, a fim que vendo-te crucificado, compreendessem que a sua Paixão era voluntária e anunciassem ao mundo que és verdadeiramente o esplendor do Pai”.

Caros amigos, participem também desta visão e deste dom sobrenatural, dando espaço à oração e a escuta da Palavra de Deus. Além disso, especialmente neste tempo da Quaresma, exorto, como escreve o servo de Deus Paulo VI, “a responder ao preceito divino da penitência com qualquer ato voluntário, além das renúncias impostas pelo peso da vida cotidiana” (Cost. ap. Pænitemini, 17 fevereiro 1966, III, c: AAS 58 [1966], 182).

Invoquemos à Virgem Maria, a fim que ela nos ajude a escutar e a seguir sempre o Senhor Jesus, até a Paixão e a Cruz, para participar também da sua glória.

Nos dias passados, as notícias preocupantes que chegaram da Líbia suscitaram também em mim um vivo temor e apreensão. Eu rezei de modo particular por esta situação, durante a semana dos exercícios espirituais. Sigo agora os últimos eventos com grande apreensão e rezo por aqueles que estão envolvidos na dramática situação daquele país, além de dirigir um apelo urgente a todos que possuem responsabilidades políticas e militares, a fim que tenha no coração antes de tudo, a segurança dos cidadãos e a garantia dos acessos aos recursos humanitários. À população, desejo assegurar a minha comovida proximidade, enquanto peço a Deus que um horizonte de paz e de concórdia surja o mais rápido possível sobre a Líbia e sobre toda a região norte africana.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Papa reflete sobre testemunho de leigos no 6º dia de meditações

Sexta-feira, 18 de março de 2011, 09h14

Leonardo Meira

Da Redação, com Rádio Vaticano (Tradução de CN Notícias)


Montagem sobre fotos / RV
Acima, o pregador dos Exercícios, padre François-Marie Léthel. Abaixo, Bento XVI participa das reflexões, juntamente com membros da Cúria Romana
As meditações do sexto dia de Exercícios Espirituais do PapaBento XVI com a Cúria Romana estão centradas no testemunho dos leigos.

A primeira meditação proposta pelo padre carmelitano descalço Francois-Marie Lethél é dedicada ao escritor francês Charles Péguy, sobre o tema "Uma teologia poética da comunhão dos santos e da esperança". A segunda é sobre o "Ser mãe", com referência à leiga mística e mãe de família Concepción Cabrera de Armida, declarada Venerável por João Paulo II em 1999.

A última meditação destaca a jovem leiga Chiara Luce Badano, falecida aos 18 anos, em 1990, e beatificata em 2010, a primeira beata do Movimento dos Focolares, testemunho de Jesus abandonado, fonte de unidade para todos os homens.

Na manhã de sábado, 19, na Solenidade de São José, acontece a conclusão dos Exercícios.


Saiba mais

O Papa participa dos exercícios espirituais com a Cúria Romana entre os dias 13 e 19. O tema é "A luz de Cristo no coração da Igreja – João Paulo II e a teologia dos Santos". As meditações são conduzidas pelo Secretário Prelado da Pontifícia Academia de Teologia, padre François-Marie Léthel, da Ordem dos Carmelitas Descalços.

terça-feira, 15 de março de 2011

20 anos de ECONOMIA DE COMUNHÃO








clique na imagem para aumentar

Mãe terra, o que deixaremos para seus filhos?



Segunda-feira, 14 de março de 2011, 16h05

Papa reflete vida dos santos em 2º dia de retiro quaresmal

Nicole Melhado
Da Redação, com Rádio Vaticano (Tradução equipe CN Notícias)


Rádio Vaticano
O Papa Bento XVI e a Cúria Romana estão empenhados no segundo dia de exercícios espirituais da Quaresma
O Papa Bento XVI e a Cúria Romana estão empenhados nesta segunda-feira, 14, no segundo dia de exercícios espirituais da Quaresma, um dia caracterizado pelas meditações dos temas marianos dos textos de João Paulo II.

A primeira das três reflexões será baseada na obra “A grande ciência dos santos”, de São Luís Maria de Montfort, como explica o Secretário Prelado da Pontifícia Academia de Teologia, padre François-Marie Léthel, da Ordem dos Carmelitas Descalços.

“O tema da santidade foi sempre o centro dos estudos teológicos. Os santos são grandes testemunhas da santidade da Igreja, e através de seus testemunhos, reflexões e experiências resplandece a luz de Cristo”, destaca padre Léthel.

Santa Teresinha do Menino Jesus, proclamada doutora da ciência do amor por João Paulo II, Anselmo e Tomás de Aquino, são citados no documento Fides et Ratio, que também faz parte das reflexões da semana. Além deles a vida de outros santos da Idade Média e contemporâneos fazem parte das meditações, como a grande mística Concita Armida de Cabrera e a beata Chiara Luce Badano, primeira Beata do Movimento dos Focolares.

O testemunho da jovem Beata Chiara Luce, falecida em 1990, mostra que vocação a santidade é um chamado a todos os cristãos. “Muitas vezes os fiéis pensam que os santos são um pouco como 'extraterrestres', isto é, pessoas sem defeitos, mas não é assim. Os santos eram pessoas como nós, com suas limitações, feridas, que cometeram seus pecados, mas num certo ponto decidiram seguir Jesus até o fim”, esclarece o secretário.

A segunda meditação deste dia será direcionada pelo Totus Tuus, documento cristocêntrico e mariano de Karol Wojtyła, reflexões baseadas no Evangelho de São João tratadas nas cartas aos religiosos e religiosas das Famílias Monfortane de 8 de dezembro de 2003.

Para o padre carmelita, João Paulo II é o Papa da santidade e sua beatificação é o reconhecimento oficial de sua vida santa. “Ele é o Papa que proclamou mais santos e beatos. É o Pontífice que presentou os santos não só como exemplos de perfeição cristã, mas também como teólogos, como conhecedores de Deus, sendo portadores, no mundo de hoje, da luz de Cristo”, ressalta o padre da Ordem dos Carmelitas Descalços.

Assim, a terceira meditação tratará do explendor da caridade, da fé e da esperança vivida por João Paulo II e sua devoção à Virgem Maria.

Durante a semana de exercícios espirituais, todas as audiências com o Papa Bento XVI foram suspensas, inclusive as catequeses realizadas às quartas-feiras. Os exercícios espirituais do Papa serão concluídos no sábado.

“Concluiremos com a Festa de São José, no dia 19 de março. Por isso a última meditação será justamente dedicada a São José, o padroeiro do Batismo do Papa”, diz padre Léthel.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Voluntariado: “De repente Deus fica assustadoramente nítido…”


Inserido em 09-03-2011 13:22


A Renascença procurou o testemunho de três jovens que dedicam o seu tempo livre a quem mais necessita.

Estes são os últimos dias disponíveis para a inscrição na Jornada Mundial da Juventude, convocada pelo Papa para Agosto em Madrid.

Bento XVI convoca os Jovens para uma vida comprometida com Cristo e a Renascença foi à procura de quem o faça através do voluntariado.

Estão unidos pelo espírito de missão. Tiago Oliveira iniciou há um mês a formação no âmbito do Grupo de Acção Social em África. “O meu pai riu-se e disse que estava orgulhoso, a minha riu-se, chorou e deu-me um abraço e disse-me para ir e ajudar.”

Diferente foi a reacção dos pais de Ana Brandão. Em 2009, a vontade de partir em missão foi travada pela resistência dos pais. A primeira experiencia veio em 2010. Destino: Angola.

“É muito estranho, pedem-nos para ir, para confiar, porque vai ser tudo maravilhoso… e é verdade.”

Foram dois meses a trabalhar com populações carenciadas: “Estivemos a criar grupos de voluntariado, fomos a lares, alguns quiserem trabalhar com idosos, outros estavam mais preocupados com questões ambientais”.

A pobreza é tudo o que rodeia: “Nós temos tantas coisas, está aqui o computador, o telemóvel. Em missão não temos nada disso. Vamos tirando as coisas da frente e aí Deus fica assustadoramente nítido”.

São jovens comprometidos, exemplos de quem ocupa as horas de lazer a favor do seu semelhante.


André Rodrigues

domingo, 6 de março de 2011

Viver o momento presente por CHIARA LUCE BADANO

“Na realidade, o único tempo que o homem possui é o momento presente, que dever ser vivido interiormente, usufruindo-o plenamente. Vivendo assim, certamente o homem sente-se livre, porque não é mais esmagado pela angústia do eu passado e pelas preocupações com o seu futuro. Certamente, conseguir alcançar esse objetivo não é nada simples e requer um esforço constante, dar um sentido a cada ato nosso, grande ou pequeno que seja, em benefício dos outros.”

A clara luz de Chiara Luce - Ed. Cidade Nova - pg. 137

sábado, 5 de março de 2011