quinta-feira, 21 de julho de 2011

A FRATERNIDADE COMO CATEGORIA CONSTITUCIONAL


PALESTRA

SUBSEÇÃO - COTIA

A FRATERNIDADE COMO CATEGORIA CONSTITUCIONAL

Expositores
DR. CARLOS AUGUSTO ALCÂNTARA MACHADO
Procurador da Justiça e Membro do Conselho Superior do Ministério Público de Sergipe; Mestre em Direito Constitucional (UFC) e Doutorando em Direito Econômico pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC SP e Professor de Direito Constitucional e Disciplinas Correlatas da Universidade Federal de Sergipe e Universidade Tiradentes em Aracaju.

DR. MUNIR CURY
Advogado e Consultor; Procurador de Justiça aposentado do Ministério; Coordenou as Promotorias de Justiça da Infância e Juventude (1984 a 1993); Integrou o Conselho Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo durante o biênio 1994/1995.


Data / Horário
29 de julho (sexta-feira) – 19 horas


Local
Casa do Advogado de Cotia
Avenida Santo Antônio, 77 – Jd. Nomura


Inscrições / Informações
Mediante a doação de uma lata ou pacote de leite integral em pó – 400g, no ato da inscrição.
Fones: (11) 4148-3393 / 4148-3433


Promoção
108ª Subseção – Cotia
Presidente: Dr. José Fontana Júnior

Coordenação
Comissão de Cultura e Eventos da OAB – Cotia
Coordenadora: Dra. Ana Amélia Mendes Melo

***Serão conferidos certificados de participação — retirar em até 90 dias***
*** Vagas limitadas ***

Dr. Luiz Flávio Borges D’Urso
Presidente da OAB SP

P A R T I C I P E M








segunda-feira, 4 de julho de 2011

Vaticano lança oficialmente livro do Papa Bento XVI, intitulado "A Luz do Mundo"


Luce del MondoO livro "A Luz do Mundo" na qual o papa Bento XVI é entrevistado pelo jornalista alemão Peter Seewad, foi lançado oficialmente no Vaticano.

O Pontífice responde a perguntas sobre temas atuais e muitas vezes polêmicos, como o uso excepcional do preservativo, assunto que gerou discussões nesta semana antes da apresentação oficial do livro.


Um dos temas tratados no livro é a questão da pedofilia na Igreja Católica.


O Papa disse que "nos abusos sexuais e nos casos de pedofilia dos padres, a partir dos anos 1960, a necessidade de punir foi esquecida, [mas era] aplicada até os anos 1950".

Agora devemos recuperar "o direito e a necessidade da pena" porque o amor não é apenas "gentileza e cortesia", mas também "verdade", destacou Bento XVI.

O Pontífice também respondeu questões sobre a homossexualidade e destacou que os homossexuais devem ser respeitados como pessoas que "não devem ser descriminados porque apresentam aquelas tendências. O respeito pela pessoa é absolutamente fundamental e decisivo".

"Todavia, o profundo sentido da sexualidade é um outro. Poderia dizer, querendo se expressar nestes termos, que a evolução gerou a sexualidade com a finalidade da reprodução", destaca ele.

Em relação à homossexualidade na Igreja Católica, Jospeh Ratzinger recorda que "não é conciliável com o ministério sacerdotal".

Ele recorda que há alguns anos a Congregação para a Educação Católica emitiu uma disposição pela qual os candidatos homossexuais não podem se tornar sacerdotes porque a sua orientação sexual os distância da linha paterna, que é o que define o ser sacerdote".

"Portanto a escolha dos candidatos ao sacerdócio deve ser muito precisa. É necessário ter muita atenção para que não se introduza uma confusão deste tipo e no final o celibato dos padres não seja identificado com a tendência à homossexualidade" declarou Bento XVI.(ANSA)